16 de outubro de 2018 Depoimento de uso Miriane e bebê António

Depoimento de uso Miriane e bebê António

“Olá! Me chamo Miriane e sou mãe da Luiza de 12 anos e do António de 9 meses!

Ouvi falar do sling quando tive a Luiza, mas devido ao pouco acesso às informações e a quem disponibilizasse (ou comercializasse), acabei aderindo ao canguru tradicional e fiz muito uso até o 1 ano de idade dela.

Após 6 anos, quando minha cunhada engravidou, eu já conhecia um pouco mais sobre o sling e fui até uma loja com o intuito de comprar para ela. De imediato, fui desestimulada pela vendedora, dizendo que quem deveria comprar seria a própria gestante (ou mãe), pois não era algo fácil de se adaptar e corria o risco de eu dar e ela não usar!

Mais 6 anos se passaram e eu me deparei em uma nova relação com a maternidade e decidida que gostaria de me adaptar a esse “pano tão difícil”, mas com tantos benefícios! Através de um grupo de mães, recebi o contato da Karina que prestava assessoria com a Simples Aurora, mas como ela havia tido bebê há poucos dias, me encaminhou para a Carol que além de assessora é a fundadora da marca.

O António tinha em torno de 40 dias quando ela veio na minha casa, passar os princípios do sling, me explicar sobre as diferenças entres os modelos e consequentemente, me auxiliar na primeira amarração daquele escolhido. Confesso que até receber a assessoria, imaginei que seria possível aprender várias amarrações! Mas após receber as explicações da Carol, entendi que realmente tem que existir uma adaptação ao tecido e ao hábito de usar para depois se “aventurar” em outras posições e formas de carregar o bebê.

Adquiri o sling de algodão, com comprimento de 4,80m e com ele pude sentir todos os benefícios, como a liberdade das mãos para o dia a dia, a facilidade em carregar e principalmente, para o fortalecimento do vínculo mãe e bebê.
Quando o António estava prestes a completar 5 meses e diante de uma viagem longa de avião, resolvi adquirir o canguru para que a função do carregar ficasse ainda mais facilitada. Foi aí que para mim, tudo se completou em relação ao sling! Pois o pano é algo muito especial, mas em locais abertos (como estacionamentos) ou apertados (como avião), acaba não sendo tão prático.

Com a questão resolvida, de carregar o bebê na frente e com praticidade (tanto no pano quanto no canguru), comecei a experimentar fazer a amarração lateral (pano) e colocar nas costas (canguru). Em ambas experiências, tive como base os tutoriais que a Carol faz para a Simples Aurora! Até tentei acompanhar outros vídeos na internet e seguir dicas de quem faz outras amarrações, mas nenhum me deu a informação de uma forma que eu me sentisse segura em fazer! Acredito que além da ótima didática e acessibilidade da Carol, a forma que ela me passou todo o conceito do sling na assessoria, foi o que me encorajou e facilitou o entendimento das dicas, tanto das amarrações como até a forma de dobrar o canguru! Aliás, esse parece um detalhe, mas que por aqui fez toda a diferença!

As frases clichês,: “Sling é liberdade, Sling é vida!”, fazem todo o sentido para mim!

O respeito à postura fisiológica do bebê, o contato com quem o carrega (aqui em casa tem o pai e a irmã que adoram compartilhar desta delícia), a facilidade e agilidade em levá-lo para todos os lados (supermercado, shopping, etc.), é algo inexplicável!

Indico para todas as pessoas que tem vontade de experimentar! Vale muito a pena!”

          

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *